segunda-feira, 27 de julho de 2015

Rock, machismo e vergonha alheia

Uns tempos atrás eu andava ouvindo Beyoncé no repeat quando meu marido me perguntou se eu tinha deixado de ser roqueira. Achei engraçado, mas depois comecei a pensar sobre isso. Durante muitos anos eu repeti que minha vida havia sido salva pelo rock'n'roll. Em certa medida, ela foi mesmo. Meu gosto musical definido muito cedo (em torno dos 10 anos), alinhado com a atitude rebelde e contestadora que aparentemente vinha no pacote, me ajudou a definir um bocado de coisa na vida. Do meu estilo de me vestir ao tabagismo adquirido para compor personagem - é ridículo, eu sei, mas em minha defesa devo dizer que era adolescente. Gostar de rock me fez me empenhar para aprender inglês, o que mais tarde serviu pra arrumar meu primeiro emprego, aos 14. Minha aproximação com o anarquismo, como pra tantas pessoas que conheço, se deu por meio do punk. O rock me deu toda uma sociabilidade, amigos, amores e momentos incríveis ao som de músicas idem.

Resumindo, posso dizer sem exagero que minha vida seria bem diferente se não fosse roqueira. Porém, de uns tempos pra cá comecei a me abrir para outros estilos musicais que antes eu não me interessava ou tinha preconceito, como o pop. Sempre gostei de uma diva, seja ela uma cantora de jazz ou uma performer como Madonna, Beyoncé e cia. Mulheres fortes sempre me fascinaram, mas antes eu tinha vergonha de dizer que gostava de algumas coisas. Hoje eu me dou conta que os motivos estavam diretamente relacionados à minha formação roqueira e que podem ser resumidas em dois pontos:

1- O rock é extremamente machista
2- O meio roqueiro é tão arrogante que chega a ser ridículo

Rock é um estilo musical cujo protagonismo é masculino. Claro, há movimentos como o Riot Grrrl onde predominam bandas formadas por minas e existem mulheres maravilhosas em bandas clássicas - como Joan Jett, Debbie Harry, Kim Gordon, Kim Deal, Patti Smith, Nico, mas os homens são dominantes.. Mas faça uma lista das suas dez bandas preferidas e veja quantas delas possuem pelo menos uma integrante ou são formadas por mulheres. E a resposta pra isso não é difícil de chutar: no imaginário coletivo rock é coisa de macho.

Por que não colocar uma mulher estuprada na capa de um disco?
Nem vou entrar na discussão sobre misoginia e objetificação das mulheres no rock porque isso aí rende mestrado e doutorado (e se for problematizar classe, raça e orientação sexual porque aí é que danou-se). Na cultura roqueira as mulheres aparecem predominantemente como objeto, não como sujeito. Tem Hendrix nesse clipe assustador dizendo pra uma mulher que tá cansado de perder o tempo dele e que ela será toda dele. Há toda uma lista de canções, videoclipes, capas de discos em que as mulheres são endeusadas, infantilizadas, violentadas ou são apenas objeto decorativo. Quando se fala em sexo, drogas e rock'n'roll esse sexo não é apenas hétero - o que em si já seria um problema - é um sexo onde a mulher predominantemente é passiva.

Quando era adolescente os Raimundos estouraram com disco cheio de músicas horrorosas e com um hit dizendo que queria ser o banquinho da bicicleta pra ficar perto da vagina. Os Garotos Podres tinham uma música sobre um cara que era procurado pelo estupro "de uma mina cabaço" e isso não era condenado moralmente, ao contrário, ele era o cara "mais punk que eu já conheci", dizia a letra. Hoje eu me dou conta do quanto tudo isso é ofensivo e problemático pra pessoas nessa idade, quando sua personalidade está em formação e você não tem muito filtro. Porque adolescentes querem aceitação e você não quer ser a chata que reclama da letra da música, que não tem senso de humor. Ironicamente a subcultura em que me refugiava para poder ser eu reproduzia os mesmos valores machistas e misóginos dos quais eu tentava fugir. Quem me conhece sabe o quanto eu sou perua e aprecio uma montação. Mas durante muito tempo eu evitei o divonismo porque tinha medo que me achassem fútil. Um dia, quando eu já havia superado essa bobagem, um rapazinho com quem eu estava flertando numa festa chegou em mim e disse que eu era "bonita demais" pra gostar daquele tipo de música. Ele achou que tava me elogiando. Eu respondi que ele era bonitinho, mas ordinário e fui pegar outro. Não sou obrigada.


As mulheres na sociedade em geral já não são levadas a sério e no rock não é diferente. O tempo todo você pode ser intimada por alguém que nem te conhece para provar que você conhece a música, que merece frequentar determinado espaço ou usar a camiseta da banda X. Sim, você pensa, era só o que faltava, ter que fazer vestibular pra ouvir música (o que nos leva diretamente ao ponto 2 deste texto). Era o que eu fazia. Talvez seja o que várias meninas jovens estejam fazendo agora: estudando bandas e discografias pra provar que são boas roqueiras. Embora rapazes também façam isso (tenho um ex que chega ao cúmulo de saber aniversário e signo dos integrantes de sua banda preferida), dificilmente um cara irá desafiar outro homem no rolê a dizer se ele pelo menos conhece algum disco da banda cuja camiseta está usando, como ilustra esta matéria imbecil.


Diante de tudo isso não é difícil entender porque quando mais feminista eu fui ficando, mais me distanciei do rock. Em outras palavras: foi me dando bode. Toda vez que eu me lembro que ao arrotar meu conhecimento musical pra conseguir aprovação de homem ouvi: "nossa, você manja mesmo" e fiquei feliz com isso sinto uma vergonha terrível. Hoje eu tenho uma bolsa com estampa dos Ramones (uma das minhas bandas preferidas) e se alguém vier me inquirir sobre meu conhecimento sobre eles eu vou mandar à merda e dizer algo como "não tenho que te provar nada, otário". Sim, porque se tem outra coisa que me deu e me dá um bode gigantesco é que roqueiros se supõe superiores ao resto da humanidade simplesmente por gostar de rock quando são tão tapados, preconceituosos e superficiais quanto todo o resto.
Cê jura, fio?

Existe um combo roqueiro padrão, que é o fã de rock-cinema-séries. A pessoa raramente lê um livro/jornal/site de notícias, viu Laranja Mecânica e meia dúzia de filme cult e se acha o suprassumo da intelectualidade porque não assiste BBB ou não ouve funk. Não aguento. Tudo bem, é ok ser desse jeito quando você é adolescente porque  nessa fase se espera que sejamos ridículos, mas permanecer assim depois de uma certa idade não é legal, migs. Porque não ver tevê aberta não te faz intelectual, assim como ouvir funk não faz de ninguém um alienado. Semanas atrás foi Dia do Rock e ainda tem homem de 40 anos dizendo "isso é rock de verdade, não essas porcarias que vocês ouvem". Ou "camiseta dessa banda virou modinha". Ou conhecendo mais sobre a música e cultura estudunidense/britânica (porque são as pátrias do rock) e nada de América Latina. Não, você não é obrigado a gostar de cultura brasileira ou latina se não se identifica com ela, mas seje menas, né, colega? Isso não faz de você uma pessoa mega culta de gosto ultra refinado e todo mundo que não compartilha deles um idiota.

Para que tá feio, migo.
Outro dia vivi uma situação que ilustra tudo o que expus até agora. Eu estava numa festa na casa de uma amiga e alguns dos convidados (homens) começaram a colocar música no Youtube na TV da sala (Bowie, Joy Division, The Cure, Smiths, artistas que eu particularmente gosto bastante). Eu estava mais interessada em conversar e nem me liguei no som, até que uma hora uma amiga começou a cantar esta música e tivemos a ideia de colocar o clipe pra dançar. Os caras estavam há horas comandando o som, mas como já estava meio vazio a gente achou que não teria problema dançarmos um pouquinho. Mas é claro que teve. Vejam a ironia: três mulheres que esperaram horas pra poder colocar uma música (cuja letra é precursora de toda uma onda feminista que se manifesta hoje na música pop) serem censuradas porque um cara (que tava ouvindo Joy Division uma hora antes) que se deu o direito de dizer que mulher controlando o som não escolhe música que preste. Claro que deu barraco, porque se tem uma coisa que eu não faço mais a essa altura da minha vida é engolir desaforo de macho. E claro que ficou feio pra mim, pra mulher barraqueira que poderia ter ignorado e não para o machistinha que poderia ter optado por calar a boca.

Na roqueiragem com meus amigos 
Respondendo à pergunta que meu marido me fez naquele dia, não, não deixei de gostar de rock (a título de curiosidade eu não sei qual o meu disco preferido dos Ramones porque não consigo decidir entre o primeiro, o Rocket to Russia, Road to Ruin, Mondo Bizarro e End of The Century porque eu amo muito essa banda). Mas penso é necessário pensar criticamente o mundo que a gente vive, a começar pelas coisas que a gente gosta. Senão fica fácil demais, não é, mes amis?

Um comentário: